O jornalista, economista e palestrante Luís Artur Nogueira, que escreve para a revista Isto É Dinheiro e para o blog “Descomplicando a economia”, proporcionou uma reflexão sobre aspectos econômicos e políticos do Brasil e do mundo. Para aferir a expectativa dos empresários com relação ao governo, o palestrante adotou um sistema de votação entre os participantes.

A primeira questão posta em votação foi sobre o crescimento do Brasil nos próximos anos: 68% dos participantes votaram que o PIB vai crescer acima de 2% nos próximos anos. O jornalista também revelou o seu otimismo, sobretudo, quanto à agenda econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes. “Eu concordo com a agenda e acredito que vai colocar o Brasil no caminho certo”, revelou.

Entretanto, ele apontou para a necessidade de olhar as articulações políticas com mais cuidado, evitando crises desnecessárias. Outro ponto destacado por Luís Nogueira é que as relações vão passar a ser centradas mais no setor privado, reproduzindo o slogan de campanha de Bolsonaro: “mais Brasil e menos Brasília”. 

No que se refere à simplificação tributária, essa é uma questão que impacta diretamente o setor privado e um dos assuntos que está diretamente relacionado ao setor privado. Com relação ao assunto, a expectativa de 31,7% dos empresários presentes ao encontro é que a reforma irá simplificar os impostos, mas não reduzirá a carga tributária. Além disso, 40,5% deles votaram que a falta de governabilidade no Congresso é um ponto que impacta nas ações do governo.

Ao abordar algumas questões cruciais para melhorar as condições econômicas do país, o palestrante destacou a necessidade de prosseguir com as obras públicas como forma de reduzir gargalos logísticos e gerar empregos e, consequentemente, aumento de renda e consumo. Além disso, ele alertou para o cenário externo que acena com uma possível recessão econômica em função das relações comerciais conflituosas entre Estados Unidos e China, gerando uma possível guerra cambial que culminará em crise global.

Para encerrar, o palestrante levantou uma questão relevante como termômetro do grau de otimismo da plateia. Em seu questionamento Luís Nogueira perguntou como eles achavam que estariam os seus negócios nos próximos nove meses. Um percentual de 87,8% votou que estarão melhores do que o momento atual, contra apenas 11% que consideraram a possibilidade de não haver nenhuma mudança.